Categoria: insensatez

Influenza

Influenza

Eram 4 da tarde. O frio batia na janela junto com o vento, me sussurrando espirros futuros. Chegava ao meu ouvido falando: “Olha nos meus olhos. Olha, deixe que eles se encham de lágrimas. Deixa que essa água desça pela sua garganta e que ela arda, arda como seus dados numa frigideira ligada. Seus olhos …

+ Read More

Sonhos ou Silêncios

Sonhos ou Silêncios

Vale mais dormir pouco para não sonhar, ou muito, para não pensar? Pois enquanto desço a ladeira, corpos esguios retornam do local que eu busco. Não trazem sorrisos, não demonstram esperança, não revelam prazer. São simples restos de pele que se sofregamente buscam subir pra onde desço. E essa imagem me vem à cabeça ao …

+ Read More

Eu Quero Ver o Domingo Acabar

Eu Quero Ver o Domingo Acabar

O sol está se pondo e não estou de costas pra ele. Normalmente passo o dia com o nariz apontado pro lado onde ele nasce por me ser mais agradável a sua criação que seu desaparecimento. Mas aos domingos a vida não segue um rumo normal. O horário pra levantar está alterado. O relógio biológico …

+ Read More

5 minutos

5 minutos

Me dei 5 minutos para escrever um texto. Queria fazer algo simples, sem rodeios, algo que chegasse nos teus olhos e logo refletissem o que eu queria dizer. Descrever um jab, um direto de esquerda, o gongo tocando e o nocaute. Fiquei iniciando e apagando frases enquanto se passaram 3 minutos, e eu no meu …

+ Read More

Livre Arbítrio

Livre Arbítrio

Queria me dizer apaixonado e te ligar.E fazer de conta que não é o alcool que me dá coragem. Esquece… Por mais que uma parte aceite essa idéia, ainda é minoria dos votos na minha câmara arbitral.

Título?

Título?

Cheguei em casa, cansado, quase seis da manhã. O vizinho da frente já tomava seu banho matinal, as bolsas na vizinha de cima me pareciam como uma pessoa me observando pela janela, tentando entender os passos descontralados que eu dava enquanto buscava meu quarto. Cheguei com idéias na cabeça. Refazendo metáforas, revendo conceitos antigos, recebendo …

+ Read More

13.05 (21/11/2005)

13.05 (21/11/2005)

Bati na porta, e pedi, triste, tristinho: minhas coisas, por favor? Todas foram entregues, devidamente embaladas em pacote do Mercadorama. Essas sacolas eram das que mais tinham pela casa, pois nós sempre iamos ao Mercadorama fazer compras. Era fácil: tinha sempre promoção de vinho, macarrão, alguns dias até molhos prontos. Chegava, comprava e comia. Rápido …

+ Read More

doceteria (01/12/2005)

doceteria (01/12/2005)

Abri uma caixa de chocolate. Escolhi meus três prediletos e suas duplas, e escondi em baixo da cama. Não sei para que eu faço isso, se ando sozinho ultimamente, mas escondi. Escolho outros três e os como. Normalmente eles têm recheio de coco, ou nozes, ou castanha, ou amendoim. Chocolate puro não é comigo. Abro …

+ Read More

A Noiva (04/12/2005)

A Noiva (04/12/2005)

Ela acordou mais um dia sozinha. Ela e seu solitário. Um dia fora noiva, em um passado remoto, numa noite de lua alta, grande, sentada ao céu como sol poente. O fim do romance é desconhecido. Mas sobrou o solitário, o único que lhe fazia companhia, como na época de Rubião. Solitária jazia noite e …

+ Read More

Solar dos Alvoredos (14/03/2006)

Solar dos Alvoredos (14/03/2006)

Por que eu te chamo a essa hora da noite, sabendo que não vem me pegar? Malditos sejam os sonhos e suas aparições tridimensionais. Ali você me aparece finamente, friamente; parece com tudo que ainda vou viver, mesmo que ainda não saiba. “Déjà Vu” me diriam em Lion, se a visitasse esta madrugada – ou …

+ Read More